Os Estados Unidos anunciaram nesta segunda-feira (22) que oferecerão uma recompensa de até US$ 10 milhões por informação sobre as redes financeiras do grupo xiita Hezbollah, um passo sem precedentes com o qual Washington busca aumentar a pressão sobre essa organização.



O subsecretário do Tesouro, Marshall Billingslea, fez o anúncio durante uma entrevista coletiva para a imprensa internacional.

Billingslea assegurou que os EUA estão "dispostos a pagar" a todos aqueles que ajudem a identificar os grandes doadores do Hezbollah e possam entregar provas sobre sua atividade financeira, desde registros bancários e recibos de alfândegas até informação sobre empresas de fachada desse grupo.

"Quando opera, o Hezbollah deixa pra trás um rastro de documentos. O que estamos oferecendo aqui pela primeira vez é uma recompensa por informação sobre esses documentos", destacou Billingslea.

Recompensa por informações

Essa é a primeira vez em que o Departamento de Estado oferece uma recompensa pelas atividades financeiras do Hezbollah, grupo baseado no Líbano que foi designado como terrorista em 1997 por Washington.

Para facilitar a entrega dessa informação, o governo dos EUA identificou três "importantes" figuras - Adham Tabaja, Mohammad Ibrahim Bazzi e Ali Youssef Charara - que supostamente mantêm redes financeiras do Hezbollah em quatro continentes e têm laços com o narcotráfico, o sistema financeiro e "governos corruptos".

Segundo o subsecretário do Tesouro, Tabaja mantém para o Hezbollah propriedades no Oriente Médio e na África Ocidental e, além disso, é o sócio majoritário da companhia imobiliária Al-Inmaa Group for Tourism Works, que já foi sancionada em junho de 2015 por Washington.

Por outro lado, Billingslea garantiu que Bazzi, proprietário de várias empresas, doou ao Hezbollah milhões de dólares que obteve dos seus negócios na Europa, no Oriente Médio e na África.

Por último, destacou que Charara, diretor da empresa de telecomunicações Spectrum Investment Group Holding SAL, é o "encarregado de tramitar a riqueza" do Hezbollah, já que recebeu milhões de dólares da milícia libanesa para investi-los em outros projetos comerciais.

Para informar sobre a recompensa de US$ 10 milhões, o Tesouro americano divulgou cartazes com as fotografias destes três indivíduos.
Postagem Anterior Próxima Postagem
O Amazonense