Assassinos encapuzados mataram oito pessoas na Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano, nesta quarta-feira (13). Os dois, que eram ex-alunos do colégio, se mataram. Os cinco estudantes assassinados tinham entre 15 e 17 anos de idade, de acordo com o secretário de Segurança Pública de São Paulo. Também foram mortos duas funcionárias do colégio e o proprietário de uma loja próximo ao local.
Alunos

Caio Oliveira, 15 anos

Caio Oliveira, um dos mortos no massacre em Suzano — Foto: Foto: Redes sociais

Claiton Antônio Ribeiro, 17 anos: ele foi baleado e morreu na escola. Igor Ribeiro, colega de classe, viu o estudante ser baleado: "Eu e mais um corremos pro lado e um de nós ficou, aí ele levou dois tiros", conta Igor.
Douglas Murilo Celestino, 16 anos: socorrido ao Hospital de Clínicas Luzia Pinho de Melo, foi a óbito.

Douglas Murilo foi uma das vítimas do ataque na Escola Raul Brasil em Suzano — Foto: Arquivo Pessoal


Kaio Lucas da Costa Limeira, 15 anos

Kaio Lucas da Costa Limeira é um dos mortos do massacre em Suzano — Foto: Foto: Redes sociais


Samuel Melquíades Silva de Oliveira, 16 anos: frequentava a igreja com o pai. Segundo o tio, José Silva, o garoto ajudava o pai nas pregações da igreja Adventista do Sétimo dia. “Era um menino dinâmico e especial”, disse o tio.

Samuel Melquíades é uma das vítimas do massacre em Escola Estadual de Suzano. — Foto: Reprodução Facebook.


Funcionárias:



Marilena Ferreira Vieira Umezo, 59 anos: coordenadora pedagógica da escola. Era casada. Deixa filhos e netos. Foi a primeira pessoa a ser baleada na Escola Estadual Professor Raul Brasil, em Suzano (SP), na manhã desta quarta-feira. Dava aulas de filosofia para o Ensino Médio e foi promovida a coordenadora pedagógica recentemente.

Marilena Umezu foi uma das vítimas do massacre na Escola Estadual de Suzano — Foto: Foto do Facebook.


Eliana Regina de Oliveira Xavier, 38 anos: Era inspetora na Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano.

Eliana Regina de Oliveira Xavier era inspetora na Escola Estadual Raul Brasil — Foto: Foto: Redes Sociais

Dono da loja de carros:

Jorge Antônio Moraes, 51 anos: comerciante, morto antes da entrada dos assassinos na escola; ele é tio de Guilherme, um dos assassinos.
Postagem Anterior Próxima Postagem
O Amazonense