Um homem de 60 anos morreu envenenado ontem (15) após receber uma injeção de veneno para carrapatos, na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do Hospital Giselda Trigueiro, zona Oeste de Natal (RN). Segundo a polícia, a filha da vítima confessou ter cometido o crime durante visita ao leito porque “acreditava que o pai queria morrer”.

A equipe médica relatou aos policiais que o tubo do soro havia mudado de cor e que um odor diferente pairava no ar. Uma seringa e o frasco do veneno foram encontrados na lixeira próximo ao leito. Eles desconfiaram do comportamento da mulher quando o pai começou a passar mal, e ela foi presa em flagrante. Rocha confessou o crime e disse à polícia que comprou veneno para injetar no pai.
“Ela disse que sentia que o pai estava sofrendo muito e resolveu comprar o produto numa casa de ração para aplicar no soro. Depois que ela injetou o veneno, o aparelho que media a frequência cardíaca da vítima começou a avisar que os batimentos estavam acelerados. Ela se desesperou e chamou a equipe médica. (…) A acusada contou que pensou em desistir, mas foi em frente porque acreditava que o pai queria morrer“, disse o delegado Roberto Andrade, da DHPP (Divisão de Homicídios e Proteção a Pessoa), ao portal UOL.

O homem era portador do vírus HIV e tinha tuberculose. A filha foi indiciada por homicídio qualificado pela falta de defesa da vítima e deve ser transferida para uma unidade prisional do Rio Grande do Norte nesta quarta-feira (16).
Postagem Anterior Próxima Postagem
O Amazonense