Os estudantes ficaram encantados com as belezas de Presidente Figueiredo – Fotos: Jackson Salvaterra
Estudantes de diversos países do mundo estão participando de um intercâmbio na Amazônia e um dos locais escolhido pelos grupos foi a cidade de Presidente Figueiredo (a 117 Km de Manaus). A visita começou no dia 1º deste mês e vai até o dia 13 de maio.


Cachoeiras, corredeiras, grutas e cascatas, foram as belezas naturais que atraíram os grupos de estudantes estrangeiros, Os passeios começam cedo, logo depois do café da manhã e, em um dos dias, a Cachoeira do Santuário foi um dos locais visitados. Lá, os jovens tiveram o acompanhamento de guias e, de tão entusiasmados com o que viam, buscavam levar algumas recordações para casa.

O estudante da Alemanha, Benner Sérgio, ficou encantado com as belezas naturais do lugar. “Conhecia outras cachoeiras menores, mas como uma desse tamanho, é a primeira vez. Tudo é belo aqui”, disse o estudante.

Outra estudante que ficou deslumbrada com o cenário foi Viviana. Ela chegou a comparar a cor da água dos rios com o café. “Eu estou adorando, a água parece café. Não conhecia o Brasil e isso, para mim, é a originalidade do país”, disse a mexicana, aos risos.

Uma amostra da cultura também fez parte do intercâmbio quando um grupo de dança, formado por jovens de Presidente Figueiredo, se apresentaram por uma hora, realizando uma amostra do que é feito pelos bois-bumbás de Parintins. Os artistas arrancaram aplausos dos estudantes estrangeiros.

Uma amostra da cultura dos bois-bumbás de Parintins foi apresentada para os jovens estrangeiros

“É sempre bom conhecer um pouco da cultura da Amazônia. Aqui, podemos sentir a natureza de perto e prestigiar um pouco da cultura local” declarou Simagisiger, estudante da Suíça. “Eles aproveitam para entrar na dança e interagir com o grupo”, completou a coordenadora do grupo de dança, Katiuscia Nunes, revelando que as apresentações já ocorrem há mais de três anos. “É sempre bom recebê-los aqui”, frisou.

Francisco Mota, é artesão e aproveitou a vinda dos estudantes estrangeiros para faturar com seus artesanatos. Ele conseguiu vender mais de 200 peças. “Me preparei há três meses para poder conseguir atender a todos”, disse.

Todos ficaram encantados com a apresentação

O intercâmbio com estudantes estrangeiros é realizado uma vez ao ano durante sete finais de semana. Ao todo, sete grupos devem passar pela ‘terra das cachoeiras’.

EM TEMPO
Postagem Anterior Próxima Postagem
O Amazonense